CNAC cai de pé em embate contra Poveiros | Equipa mantém viva esperança de subir ao primeiro escalão

CNAC cai de pé em embate contra Poveiros | Equipa mantém viva esperança de subir ao primeiro escalão

3 de junho, 2022 0 By Nuno Miguel Pina

Sábado, 28 de maio, 15h00, Complexo de Piscinas Rui Abreu

CNAC 10 – 22 CNP (1-5; 3-6; 1-7; 5-4)

Alinharam pela equipa de Coimbra: João Rodrigues, João Rocha, Luís Pio (1), Tomás Veríssimo, João Silva, Afonso Silva (3), Diogo Pina (2), Gonçalo Pina (2), Nuno Pinto (2), Ivo Gonçalves

CNAC cai de pé em embate contra Poveiros

A equipa sénior masculina do Clube Náutico Académico de Coimbra (CNAC) recebeu e foi vencida pela formação do Clube Naval Povoense (CNP) em jogo a contar para a Fase de Qualificação para a Final 4 da Taça de Portugal.

Numa partida entre duas equipas que militam em campeonatos distintos (enquanto os conimbricenses atuam na 2ª divisão nacional sénior, os homens da Póvoa competem no 1º escalão), os jovens do CNAC, que não podiam contar com algumas das suas principais figuras, até começaram melhor e, logo no primeiro minuto de jogo, uma jogada estudada resultou em golo para a equipa da casa. No entanto, a vantagem foi solo de pouca dura e, no final do primeiro período, o conjunto forasteiro já vencia por esclarecedores 1-5.

A história do segundo tempo não foi muito diferente. Por um lado, um Náutico que não virava a cara à luta e que, no início do período, dava resposta à ofensiva poveira e, por outro, um Povoense mais experiente que, fazendo a gestão do jogo, colocava o pé no acelerador quando o adversário, com escassez de alternativas, já se sentia cansado. Ao intervalo, 4-11 era o resultado no marcador.

No terceiro período, os rapazes de Coimbra acabaram por ceder. Já com pouco discernimento e com um oponente a mostrar o porquê de competir numa divisão acima, o parcial acabou por terminar em 1-7, matando qualquer hipótese que o CNAC ainda tivesse de discutir o resultado.

Sem essa pressão em cima, os jogadores da equipa da casa acabaram por descontrair e, no último tempo, conseguiram mesmo superiorizar-se ao CNP. A alternância na marcação dos golos ao longo deste período acabou apenas por ser interrompida por um pénalti favorável ao Náutico, que acabou por ser convertido por Luís Pio. Ainda haveria espaço para mais um golo de parte a parte, mas o resultado deste parcial ficaria nos 5-4, estabelecendo em 10-22 o resultado final.

Nesta competição, o CNAC já não tem qualquer ambição competitiva, pelo que a Taça de Portugal tem sido espaço para que os jogadores, cuja média de idades ronda os 20 anos de idade, acumulem experiência frente a equipas de outro gabarito. No próximo fim-de-semana, o Complexo de Piscinas Rui Abreu recebe jornada dupla, com a receção ao Clube Aquático Pacense a ocorrer no sábado, pelas 14h30, e o confronto com o Cascais Water Polo a estar marcado para as 15h00 de domingo.

Equipa mantém viva esperança de subir ao primeiro escalão

4ª colocada na fase regular da zona norte do Campeonato Nacional da 2ª Divisão Sénior Masculino, a formação do Clube Náutico Académico de Coimbra continua na luta pela ascensão ao ‘convívio dos grandes’ do pólo aquático português.

Ainda com um jogo por disputar desta primeira fase (que nada deve alterar na tabela classificativa), o CNAC está longe daqueles que, em teoria, seriam os lugares de acesso à promoção. No entanto, dado que à frente do Náutico figuram apenas equipas B (VSC, SSCMP e CFP), impedidas pelos regulamentos de chegar ao patamar onde jogam as suas formações principais, os conimbricenses continuam a alimentar o sonho de voltar a uma competição que já não jogam desde a longínqua época 2016/17.

Para conseguir alcançar o objetivo, o clube precisa de disputar agora um ‘mini-campeonato’ com quem se qualificar em 3º da zona Norte e com o 3º e o 4º classificado da zona Sul. Depois, dependendo dos resultados obtidos e das contas entre as equipas do Sul, pode ainda ser necessária a disputa de uma liguilha de acesso ao Campeonato Nacional da 1ª Divisão.

Até agora, o clube segue com 24 pontos em 13 jogos disputados, dos quais se contam 8 vitórias e 5 derrotas. Os irmãos Gonçalo Pina e Diogo Pina encabeçam a lista de melhores marcadores da prova com 62 e 49 golos, respetivamente, sendo responsáveis por 59% dos tentos apontados pela equipa.